CUIABÁ

AGRONEGÓCIO

Conheça o grupo resgate que atua no salvamento de animais vítimas dos incêndios no Pantanal

Publicados

em

Com o período de estiagem se aproximando, as preocupações com as queimadas no Pantanal aumentam, especialmente aquelas causadas pelas ações humanas. Um dos trabalhos mais importantes que são realizados nesse período, é o resgate de animais que foram afetados pelos incêndios.

O Grupo de Resgate de Animais em Desastres (GRAD) atua conforme a demanda, assim as equipes se deslocam de todo o Brasil para ajudar os animais que precisam ser resgatados.

Foto: Arquivo Grad

Thiago Graça, o Zootecnista responsável pela unidade de Mato Grosso, explica que o grupo faz parte de um âmbito nacional, com técnicos profissionais da área e conta com a participação de veterinários, biólogos, zootecnistas, oceanógrafos, jornalistas e demais profissionais que compactuam com a causa animal.

O Grupo de Resgate de Animais em Desastres, surgiu com o propósito de ajudar animais domésticos e silvestres vítimas de desastres naturais como incêndios e enchentes.

Enchentes, inundações, deslizamento de terra são os desastres ambientais mais comuns de serem vistos ao redor do país. No estado de Mato Grosso, entretanto, o grupo atua no resgate de animais que são vítimas de incêndios, devido ao fato de o Pantanal queimar praticamente todos os anos, o que consequentemente vai afetando cada vez mais a fauna e a flora pantaneira.

Leia Também:  Paranavaí mobiliza mulheres para formar comissão local

Vale ressaltar que, atualmente a entidade conta com a participação de mais de 70 voluntários em todo o país, sendo eles de diversas regiões do Brasil, como por exemplo Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Santa Catarina e Rio Grande do Norte.

No estado mato-grossense a demanda de animais silvestres é grande, devido ao Pantanal ser um bioma de grandeza significativa que recebe muitos animais, principalmente as aves que vêm de fora.

Todos os anos o Pantanal é atingido pelas queimadas, especialmente em período de estiagem, perante a isso, o representante do grupo, Thiago, dá algumas dicas de como evitar queimadas e ensina algumas ações que podem auxiliar no combate e no controle do fogo. Sendo elas, controle de biomassa, entrada e saída de animais e a implantação de açudes e aceiros.

Após as equipes de resgate retirarem os animais dos lugares de risco, eles são tratados com acompanhamento veterinário até que possam retornar a seus respectivos habitats. Após as necessidades sanitárias, clínicas e nutricionais serem atendidas, os animais já podem ser encaminhados para a soltura, isso somente no caso de o animal já estar em condições de retornar a sua vida livre.

Leia Também:  CNA e Mapa orientam produtores sobre cuidados na compra de fertilizantes

COMO PARTICIPAR

Para aqueles que desejam participar da equipe do GRAD, é necessário que o currículo seja enviado pelo Instagram (@grad_brasil) para passarem pelo processo seletivo e criterioso. Assim que os escolhidos forem selecionados, os mesmos serão encaminhados para um treinamento intensivo de três dias com situações bem concretas e recorrentes

Fonte: AgroPlus

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

AGRONEGÓCIO

FRANGO/CEPEA: Preço da carne cai e eleva competitividade frente à suína

Publicados

em

Cepea, 1º/7/2022 – Os preços da carne de frango seguiram enfraquecidos em junho, ao passo que os valores da suína subiram. Diante disso, a competitividade da proteína avícola frente à concorrente cresceu pelo segundo mês consecutivo. Em junho (até o dia 29), o frango inteiro resfriado foi comercializado no atacado da Grande São Paulo à média de R$ 7,44/kg, queda de 1,1% sobre a de maio. Segundo colaboradores do Cepea, apesar das vendas externas aquecidas, o baixo consumo interno pressionou as cotações da maioria dos produtos da avicultura de corte. Já para a carne suína, o período de inverno e festas tradicionais têm aquecido as vendas, ao passo que a oferta de animais em peso ideal de abate está menor, contexto que vem resultando em elevação dos preços. Em junho, a carcaça especial suína foi cotada, em média, a R$ 9,35/kg, avanço mensal de 1,1%. Diante disso, a carcaça suína esteve 1,91 Real/kg mais cara que o frango inteiro na parcial de junho, diferença 10,8% maior que a observada em maio, o que reduziu a competitividade da carne de frango frente à substituta. Fonte: Cepea (www.cepea.esalq.usp.br)

Leia Também:  MAPA faz apreensão de mais de 52 mil quilos de amendoim com irregularidades

Fonte: CEPEA

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

política mt

mato grosso

policial

PICANTES

MAIS LIDAS DA SEMANA