CUIABÁ

SAÚDE

Com baixa cobertura, vacinação contra gripe segue em São Paulo

Publicados

em

A cobertura vacinal contra a gripe na capital paulista está em 55%, segundo dados divulgados pela prefeitura no dia 21 de junho. Para alcançar a meta de 90%, a vacinação segue no município. Na semana passada, as doses do imunizante passaram a ser disponibilizadas para toda a população acima de seis meses de idade. Também estão disponíveis vacinas contra sarampo e poliomielite para crianças menores de 5 anos.

Os imunizantes fazem parte do calendário de multivacinação. As doses contra o sarampo são para crianças acima de 6 meses e menores de 5 anos de idade, além dos trabalhadores da saúde e pessoas nascidas a partir de 1960. As doses contra sarampo e covid-19 não podem ser aplicadas no mesmo dia no caso de crianças com idade entre 5 e 11 anos. A orientação é priorizar a vacina da covid-19 e um intervalo de 15 dias entre as doses.

Para poliomielite, estão aptas as crianças menores de cinco anos, sem histórico vacinal ou com esquema vacinal incompleto, além de adolescentes até 19 anos nas mesmas condições. Também podem se vacinar contra a poliomielite viajantes, imigrantes e refugiados de países endêmicos ou em surto, de qualquer idade, sem registro de aplicação. 

Leia Também:  SP amplia vacinação de 2ª dose de reforço para público de 35 a 39 anos

As vacinas estão disponíveis nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) e nas Assistências Médicas Ambulatoriais (AMAs)/UBSs Integradas. A Secretaria Municipal de Saúde recomenda a apresentação de um documento de identificação com foto e da carteirinha de vacinação.   

A campanha de multivacinação para o público infantil disponibiliza ainda os seguintes imunizantes: tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola), tetraviral (sarampo, caxumba, rubéola e varicela), BCG, pentavalente, vacina inativada poliomielite (VIP), vacina oral poliomielite (VOP), pneumo 10, rotavírus, meningo C, meningo ACWY, varicela, hepatites A e B, febre amarela, DTP (difteria, tétano e coqueluche), dupla adulto, HPV e pneumo 23. 

Edição: Lílian Beraldo

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

SAÚDE

Rio lança pacto para combate à mortalidade por tuberculose

Publicados

em

Um pacto para o enfrentamento à tuberculose no estado do Rio de Janeiro foi lançado nesta terça-feira (16) com a assinatura de um conjunto de ações de combate à doença que envolverá 92 municípios fluminenses nos próximos cinco anos. O Rio de Janeiro é o primeiro estado do país em taxa de mortalidade por tuberculose e o segundo com maior taxa de incidência de casos. 

Os dados sobre abandono de tratamento também são altos: cerca de 19% dos pacientes pararam de tomar os medicamentos antes do período indicado de seis meses em 2020. O conjunto de medidas visa reduzir a incidência e a mortalidade pela doença.
 
“Estamos garantindo recursos na ordem de R$ 246,3 milhões para os próximos cinco anos, ou seja, investimento a médio e a longo prazo, independentemente do gestor. Com isso, vamos aumentar a cura, o tratamento, a testagem e intensificar a atenção ao abandono. Esses recursos foram destinados pela Alerj [Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro] e se somam à verba que a secretaria já investe anualmente”, disse o secretário de Estado de Saúde, Alexandre Chieppe.

Leia Também:  OMS monitora nova variante que combina Ômicron e Delta

O Plano de Fortalecimento das Ações de Controle à Tuberculose no Estado Rio de Janeiro tem como proposta ampliar e potencializar as ações de combate à doença. Os parceiros no projeto são a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), que, por meio de cooperação técnica, será a responsável por administrar os recursos; os municípios, que colocarão os projetos em prática, e o Ministério da Saúde.

De acordo com o representante da Opas, Kleidson Andrade, a tuberculose acomete 10 milhões de pessoas no mundo, provocando 1,5 milhão mortes por ano. Para ele, o Plano de Fortalecimento de Controle à Tuberculose é um momento ímpar na história do estado.

“O Brasil registra um terço dos casos da doença nas Américas e a incidência no estado do Rio de Janeiro é alarmante. O pacto de enfrentamento à tuberculose une forças e armas contra a enfermidade. A Opas apoia a Secretária de Saúde na condução dessas ações, além de colaborar na execução e no gerenciamento de programas”, explicou.

Reforço alimentar

A coordenadora geral de Doenças Respiratórias do Ministério da Saúde, Patrícia Bartholomai, acredita que o reforço alimentar para os pacientes em tratamento e o aumento na realização dos diagnósticos melhorem os indicadores.

Leia Também:  A cada hora, 3 brasileiros sofrem amputação de pernas ou pés

“O projeto está em seu momento de estruturação para poder avançar com consistência nos próximos anos. Acredito que o suporte social vai poder fazer a diferença e melhorar os dados de cura da tuberculose”, disse a representante do ministério.

Dados no estado

Em 2021, o estado do Rio de Janeiro notificou 16.099 casos de tuberculose de todas as formas, sendo 12.986 de novos casos. A taxa de incidência foi de mais de 74 casos por 100 mil habitantes. Em 2020, foram 11.623 novas ocorrências da doença.

Atualmente, o Rio de Janeiro ocupa a segunda posição no ranking nacional de incidência de tuberculose, sendo o primeiro em mortalidade por essa causa. Ao longo dos anos, o número de óbitos por tuberculose tem aumentado. Em 2019, foram 659 mortes. Em 2020, 765 óbitos, e 876, em 2021.

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

política mt

mato grosso

policial

PICANTES

MAIS LIDAS DA SEMANA