CUIABÁ

MUNDO

Advogado de brasileira presa na Tailândia estuda pedir perdão real

Publicados

em

source
Mary Hellen foi condenada a nove anos de prisão na Tailândia
Reprodução – 13.05.2022

Mary Hellen foi condenada a nove anos de prisão na Tailândia

A defesa da brasileira Mary Hellen Coelho Silva, de 22 anos —  condenada a nove anos e seis meses de prisão na Tailândia por tráfico de drogas —, afirmou que estuda pedir o perdão real para ela. A sentença de condenação da jovem mineira de Pouso Alegre, em Minas Gerais, foi proferida no último domingo no país asiático, mas os advogados só receberam a informação nesta quinta-feira poe meio de um e-mail do consulado do Brasil. O advogado Telêmaco Marrace alega que Mary Hellen foi aliciada por uma rede de traficantes.

“Fizemos a instrumentalização do processo com documentos enviados sobre os antecedentes da Mary Hellen”, disse Marrace.

De acordo com ele, neste momento o perdão real não pode ser requisitado porque para que ele seja concedido é preciso que o detento tenha cumprido um terço da pena:

“A lei tailandesa define um terço como um dos requisitos. No momento seria isso. Mas além do perdão real, existe o recurso para a Corte. Após o julgamento do recurso para a Corte, existe (a possibilidade) de da diminuição, uma espécie de redução da pena. Motivos para a redução: superlotação e bom comportamento do condenado.”

Leia Também:  Após cessar-fogo, centenas de civis escapam de Mariupol

Marrace disse que a defesa ainda não teve acesso à sentença de Mary Hellen.

“Estamos no aguardo do Itamaraty”, afirmou.

Mas mesmo assim, segundo ele, os próximos passos do caso da jovem já foram definidos com informações diretas do Departamento Correcional Tailandês. O defensor citou que nos últimos dois anos o número de indultos na Tailândia tem sido baixo, mas ainda assim tem esperanças:

“Anima saber que, no pedido de indulto real, é obrigatório considerar os antecedentes de cada solicitante, bem como a natureza do crime pelo qual foram condenados. Nesse ponto reafirmo que Mary Hellen tem bons antecedentes e poderia se encaixar, pois ainda pesa a pouca idade e a forma de aliciamento, por ser de família vulnerável financeiramente e alvo fácil de ser convencida. Outro fator é a categorização de presos, de acordo com sua conduta na prisão. Tudo indica que Mary Hellen tem bom comportamento e isso deve ser salientado.”

O que é o perdão real

O perdão real pode ser uma libertação antecipada do prisioneiro ou redução da pena. Ele é dado para os detentos com bom comportamento ou que estejam tendo progresso com os programas oferecidos pelo sistema carcerário tailandês.

O benefício é rotina e concedido duas vezes no ano: no aniversário do rei e no Dia dos Pais. No primeiro caso, a data é 28 de julho, quando Maha Vajiralongkorn celebra mais um ano de vida. Ele está no trono desde 2019 e costuma abrir exceções para alguns crimes durante os festejos para detentos estrangeiros e também presos da Tailândia. Já a segunda data em que o perdão real é concedido é em 5 de dezembro, quando o Dia dos Pais é comemorado na Tailândia.

Leia Também:  Mulher é encontrada morta em casa após mais de dois anos

Como foi a prisão

Mary Hellen foi presa em fevereiro deste ano. Ela estava com outro brasileiro. Os dois foram abordados no aeroporto de Bangkok por funcionários da alfândega que desconfiaram do casal após verem alguns itens suspeitos mostrados pelo raio-X. As três malas foram, então, revistadas. Os funcionários encontraram na bagagem nove quilos de cocaína, escondidos num compartimento oculto.

Horas depois um terceiro brasileiro também foi preso. Ele estava com 6,5 quilos de cocaína escondidos em duas malas.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram  e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

Fonte: IG Mundo

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

MUNDO

Militares ucranianos de Azovstal serão julgados em Donetsk

Publicados

em

source
Combatentes ucranianos em Azovstal
Ansa

Combatentes ucranianos em Azovstal

Todos os ucranianos que se renderam da siderúrgica de Azovstal, em Mariupol, serão julgados como prisioneiros de guerra por um tribunal na região separatista de Donetsk, informou a autoridade local nesta segunda-feira (23).

O anúncio foi feito pelo líder da autoproclamada República de Donestsk, Denis Pushilin, à agência Interfax, explicando que “está planejando organizar no território um tribunal internacional” e “o estatuto está a ser elaborado”.

“Acredito que a justiça deve ser restaurada. Há um pedido para isso por parte das pessoas comuns, da sociedade e, provavelmente, da parte sã da comunidade mundial”, declarou Pushilin.


A decisão é tomada após o Ministério da Defesa da Rússia publicar imagens da rendição do último grupo de soldados ucranianos da fábrica Azovstal, em Mariupol. Hoje, uma fonte revelou que o primeiro julgamento do tipo deve ser realizado na cidade portuária.

Leia Também:  Mulher é encontrada morta em casa após mais de dois anos

Segundo o porta-voz do Ministério da Defesa russo, Igor Konashenkov, 2.439 pessoas e militares das Forças Armadas da Ucrânia renderam-se na fábrica de Azovstal. A agência não especificou quais acusações os combatentes vão enfrentar. 

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mundo

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

política mt

mato grosso

policial

PICANTES

MAIS LIDAS DA SEMANA